Prevalência de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular em mulheres com cervicalgia e lombalgia

Juliana de Paiva Tosato, Tabajara de Oliveira Gonzalez, Luciana Maria Malosa Sampaio, João Carlos Ferrari Corrêa, Daniela Aparecida Biasotto-Gonzalez

Resumo


Frente à vulnerabilidade da articulação temporomandibular (ATM) a alterações intrínsecas e extrínsecas, têm-se estudado fatores capazes de gerar disfunção nesta articulação. Uma possível desencadeadora de sintomas na ATM é a alteração postural. Assim, o objetivo é analisar a prevalência de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular (DTM) em mulheres com cervicalgia e lombalgia. Para isso, foram entrevistadas 20 mulheres entre 19 e 51 anos de uma clínica de fisioterapia, portadores de algias vertebrais, sendo 12 na cervical e oito na lombar. Para coletar os dados foram utilizadas questões do Questionário Critérios de Diagnóstico em Pesquisa para ATM. Após análise dos resultados, foi constado que as mulheres com cervicalgia apresentavam mais sinais e sintomas de disfunção temporomandibular do que as com lombalgia.


Palavras-chave


Lombalgia; cervicalgia; dor; articulação temporomandibular

Texto completo:

PDF

Referências


Riddle DL. Classification and low back pain: A review of the literature and critical analysis of selected systems. Physical therapy. Low Back Pain Special Series 1998;78:708-37.

Hoppenfeld S. Propedêutica ortopédica: coluna e extremidades. Rio de Janeiro: Atheneu; 1999.

Biasotto-Gonzales DA. Abordagem interdisciplinar das disfunções temporomandibulares. São Paulo: Editora Manole; 2005. 246 p.

Savalle WPM. Anatomia do aparelho mastigatório. In: Steenks MH, Wijer A. Disfunções da articulação temporomandibular do ponto de vista da Fisioterapia e da Odontologia. São Paulo: Santos; 1996.

Okeson JP. Fundamentos de oclusão e desordens Temporomandibulares. São Paulo: Artes Médicas; 1992.

Landulpho AB, Silva WAB, Silva FA. Análise dos ruídos articulares em pacientes com disfunção temporomandibular tratados com aparelhos interoclusais. JBA 2003;3:112-7.

Molina OF. Fisiopatologia craniomandibular. Oclusão e ATM. São Paulo: Pancast; 1989.

Michelotti A, Manzo P, Farella M, Martina R. Occlusion and posture: is there evidence of correlation? Minerva Stomatol 1999;48(11):525-34.

Cauás M, Alves IF, Tenório K, Filho JBHC. Incidências de hábitos parafuncionais e posturais em pacientes portadores de disfunção da articulação craniomandibular. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac 2004;4:121-9.

Hertling D, Kessler RM. Management of common musculoskeletal disorders physical therapy – principles and methods. New York: Lippincott; 1996.

Calliet R. Neck and arm pain. 3rd ed., FaDavis; 1991.

Siqueira JTT, Ching LH. Dor orofacial/ATM. Bases para diagnóstico clínico. Curitiba, maio 1999.

Barbosa GAS et al. Distúrbios oclusais: Associação com a etiologia ou uma conseqüência das disfunções temporomandibulares? JBA 2003;3:158-63.

Kierveskari P, Jamsat T, Alanen P. Occlusal adjustment and the incidence of demand for temporomandibular disorder treatment. J Prosthet Dent 1998;79(04):433-8. http://dx.doi.org/10.1016/S0022-3913(98)70158-1

Cooper BC, Cooper DL. Recognizing otolaryngologic symptoms in patients with temporomandibular disorders. Cranio 1993;11:260-7.

Garcia AR, Ramos IM. Avaliação da presença de ruídos articulares em uma população de adultos jovens. Rev Odontol Araçatuba 2002;23:46-53.

Neville BW, Dam DD. Patologia oral e maxilofacial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1998.

Lund JP, Widmer CG, Feine JS. Validity of diagnostic and monitoring tests used for temporomandibular disorders. J Dent Res 1995;74(4):1133-43. http://dx.doi.org/10.1177/00220345950740041501

Stetenga B. Classification of temporomandibular joint osteoarthrosis and internal derangement. J Craniomandib Pract 1992;10:96-106.

Mohl ND. Reliability and validity of diagnostic modalities for temporomandibular disorders. Adv Dent Res 1993;07:113-9.

Rocabado MS. Cabeza y cuello – tratamento articular. Buenos Aires: Inter Médica; 1979.

Gadotti IC, Berzin F, Biasotto-Gonzalez. Preliminary rapport on head posture and muscle activity in subjects with class I and II. . J Oral Rehabil 2005;32:794-9. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2842.2005.01508.x


Apontamentos

  • Não há apontamentos.