Perfil epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras

Kelen Carneiro Oliveira, Camila Marinho Penha, Júnia Moreira Macedo

Resumo


A criança no seu desenvolvimento psicomotor adquire habilidades que irá auxiliar em seu crescimento. Na faixa etária de 0 a 6 anos, elas buscam explorar a si mesmas e o mundo ao seu redor, tornando-se mais susceptíveis às lesões térmicas. Estima-se que 50% de todas as vítimas de queimaduras são crianças, estando a maioria entre 1 a 6 anos de idade. As seqüelas que este trauma ocasiona não se restringem somente à superfície cutânea, pois podem gerar alterações metabólicas, funcionais, estéticas e emocionais da vida não somente do paciente, mas também de todas que o rodeiam. O objetivo é verificar o perfil epidemiológico de crianças queimadas e internadas no hospital de rede pública em São Luís (MA). Trata-se de um estudo retrospectivo, transversal, com análise de prontuários de 2002 a 2004, avaliando os parâmetros sexo, idade, procedência, agente causal, profundidade, gravidade, superfície corpórea queimada, tempo de internação, atendimento fisioterapêutico e taxa de mortalidade. Observou-se que 72,8% das crianças queimadas são procedentes da capital 53,4% do sexo masculino, 42,7% encontravam-se na faixa etária de 1 ano, prevalecendo queimadura de 2º grau com 38,08%, 20% ocasionado por líquido aquecido, a cabeça como área do corpo mais atingida com 10,07%, 45,6% permaneceu de 6 a 11 dias internados de internação, 24,3% não teve atendimento fisioterapêutico e apenas 1% evoluiu para o óbito.


Palavras-chave


Criança; queimadura; fisioterapia

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo EJ et al. Atendimento imediato à criança queimada. Arq Catarin Med 1988;17(2):85-7.

Barbosa MINH et al. Queimaduras em crianças e adolescentes: análise de 1.302 casos. Rev Bras Queimaduras 2002;2(1):25-9.

Smeltzer SC, Bare BG. In: Brunner LS, Studdarth RS. Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgico. 9ª ed. v 3. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.

Deos MFS, Burd E. Reposição volêmica na criança queimada. Rev HPS 1990;36(1):43-5.

Siqueira FMB, Juliboni EPK. O papel da atividade terapêutica na reabilitação do indivíduo queimado em fase aguda. Cad Ter Ocup UFSCAR 2000;8(2):79-81.

Schaiderman D, Zori E. Quemadras en la infancia: epidemiologia y prevención en Bariloche. Arch Argent Pediatr 2002;100(4):289-93.

Teixeira Filho A. Queimados: tratamento fisioterapêutico nos pacientes queimados graves. Fisio & Terapia, Rio de Janeiro 2000;4(19):18-9.

Chadová L, Bouska I, Mateju E. Epidemiologia das queimaduras fatais em crianças de 1964 a 2003. Rev Bras Queimaduras 2003;3(3):45-8.

Milcheski DA et al. Epidemiologia, tratamento e complicações das queimaduras elétricas. Rev Bras Queimaduras 2002;2(1).

Montenegro M, Franco M. Patologia: processos gerais. 3ª ed. São Paulo: Ateneu; 1995.

Mello JL. Queimaduras em crianças: análise de 71 pacientes hospitalizados. Momento Perspect Saúde 1989:3(1-2):11-6.

Damasceno AKC, Barroso MGT. Diagnóstico epidemiológico de queimaduras em crianças. Nursing (São Paulo) 2003; 68:23-27.

Mu-oz W, Gonzales J, Dermidjian G. Epidemiologia de las quemaduras em la infancia. Arch Argent Pediatr 1998:94(5):309-13.

Tibola J et al. Assistência à criança vítima de queimaduras na unidade de queimados do hospital infantil Joana de Gusmão. RRev Bras Queimaduras 2004;4(1):118-24.

Costa DM et al. Estudo restrospectivo de queimaduras na infância e adolescência. Rev Med Minas Gerais 1994;4(2):102-4.

Beltramo F, Gayet C, Burghard S. Rabilitacion del ni-o quemado. Kinesioterapia: medicina física. Paris: EMG 2000;3:1-10.

Bonnato LM, Ribeiro TM, Passarela V, Moser A. Prevenção de deformidades em queimaduras de mão. Fisioter Mov 1989;1(1): 67-78.

Smith M, Doctor M, Boulter T. Unique considerations in caring for a pediatric burn patient: a developmental approach. Crit Care Nurs Clinic North America 2004;16:99-108. http://dx.doi.org/10.1016/j.ccell.2003.10.002

Rowland TW. Effects of prolonged inactivity on aerobic fitness of children. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness 2000;34(2);147-55.

Siqueira FMB, Juliboni EPK. O papel da atividade terapêutica na reabilitação do indivíduo queimado em fase aguda. Cad Ter Ocup UFSCAR 2000;8(2):79-81.

Smith M, Doctor M, Boulter T. Unique considerations in caring for a pediatric burn patient: a developmental approach. United States: Crit Care Nurs Clinic North America 2004;169(1):99-108. http://dx.doi.org/10.1016/j.ccell.2003.10.002

Crisóstomo MR. Qual é a prevalência de cicatrizes hipertróficas após queimaduras. Rev Bras Queimaduras 2003;3(2):49-51.

Camargo C et al. Lesões por queimaduras: o reflexo da violência em crianças e adolescentes. Rev Bras Crescimento e Desenvolv Hum 2002;12(2):52-8.

Gomes DR, Serra MCVF, Macieira Júnior L. Condutas atuais em queimaduras. Rio de Janeiro: Revinter; 2001.

Macedo JLS, Corrêa RS. Estudo epidemiológico dos pacientes internados na unidade de queimados: Hospital Regional da Asa Norte, Brasília, 1992-7.

Pascolat et al. Abuso físico: o perfil do agressor e da criança vitimizada. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro 2001;77(1):35-40.

Restiffe AP, Berloffa MR. Estimulação elétrica nervosa transcutânea no alívio de dores de procedimento durante o tratamento de pacientes com seqüelas de queimaduras. Fisioter Bras 2002;3(6):363-70.

Vale ECS. Primeiro atendimento em queimaduras: a abordagem do dermatologista. An Bras Dermatol 2005;80(1):9-19. http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000100003


Apontamentos

  • Não há apontamentos.