Homes for the Aged: a study of a Health Region in Rio Grande do Sul, Brazil

Main Article Content

Fernanda dos Santos Pascotini
Camila Gomes Nazario
Rafaela Rossini Rosa
Rosane Seeger da Silva
Elenir Fedosse

Abstract

Introduction: With the aging of the population, the demand for Homes for the Aged (HFAs) grows. Objective: To analyze resources and population of HFAs and to check the fulfillment of the criteria from the national regulations. Methods: Descriptive quantitative study including 11 philanthropic HFAs in the state of Rio Grande do Sul, Brazil. Data was collected through a questionnaire applied to the responsible for the facility. Results: The study comprised 318 workers and 522 elders. HFAs presented: some accommodations without private bathrooms (100%); external area and administrative office (72.7%); cafeteria and support room (54.5%); ecumenical room (36.4%); rooms with more than four beds (45.5%). The prevailing reasons for admission were brought by family member (69.2%); social vulnerability (36.4%). Death was the main reason for leaving the facility. The average age of elders was 76.8 years, 58.4% were women. The dependence grade was I for 31.1%; II for 33.9%; and III for 35%. Leisure and cultural activities occurred in 72.7% of HFAs. In 27.3% there were records of visits. Only 9.1% had cooperation from families. Available human resources were nurses (72.7%); physicians and nursing assistants (63.3%); physical therapists (45.5%); psychologists (36.4%); caregivers (27.3%); occupational therapists (9.1%). In 63.3% of facilities, workers carried out mixed activities. The costs were covered by retirement pensions, partnerships, and donations. The main obstacles were financial resources or dependence on donations and rigorous health surveillance or compliance with standards. Conclusion: The HFAs partially fulfill the national criteria, impairing the quality of care provided to elders.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Pascotini, F. dos S., Nazario, C. G., Rosa, R. R., Silva, R. S. da, & Fedosse, E. (2020). Homes for the Aged: a study of a Health Region in Rio Grande do Sul, Brazil. ABCS Health Sciences, 45, e020017. https://doi.org/10.7322/abcshs.45.2020.1329
Section
Original Articles
Author Biographies

Fernanda dos Santos Pascotini, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Santa Maria (RS), Brazil

Fisioterapeuta, doutoranda em Distúrbios da Comunicação Humana da UFSM, RS, Brasil

Camila Gomes Nazario, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Santa Maria (RS), Brazil

Graduanda em fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria

Rafaela Rossini Rosa, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Santa Maria (RS), Brazil

Graduanda em fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria

Rosane Seeger da Silva, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Santa Maria (RS), Brazil

Doutoranda em Distúrbios da Comunicação Humana da Universidade Federal de Santa Maria

Elenir Fedosse, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Santa Maria (RS), Brazil

Fonoaudióloga, Docente do Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria

References

1. Martins AA, Sousa FS, Oliveira KMM, Oliveira FA, Bezerra STF, Barbosa RGB. Conhecendo o perfil clínico do idoso institucionalizado: um olhar sobre a qualidade da assistência. Rev Tendenc Enferm Profis. 2017;9(2):2176-81.

2. Rinco M, Bestetti MLT. A ambiência em ILPI a partir da percepção de idosos com doença de Alzheimer e de cuidadores. Rev Kairós Gerontol. 2015;18(3):397-415. https://doi.org/10.23925/2176-901X.2015v18i3p397-415

3. Veras RP, Oliveira M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23(6):1929-36. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04722018

4. Cabrelli R, Sousa CS, Turrini NT, Cianciarullo TI. Idosos na unidade de saúde da família: morbidade e utilização de serviços de saúde. Rev Rene. 2014;15(1):89-98.

5. Rio Grande do Sul. Governo do Estado. Secretaria do Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos. Diagnóstico da situação da pessoa idosa no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2019.

6. Camarano AA. Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: IPEA, 2010.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada: RDC/ANVISA Nº 283, de 26 de setembro de 2005. [Internet] Brazil, 2005 [Cited 2018 Nov 11] Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2005/res0283_26_09_2005.html.

8. Moreira PA, Ramos LB. Qualidade de vida de idosos institucionalizados. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia. Salvador: 2014.

9. Camarano AA. Características das Instituições de Longa Permanência para Idosos: Região Sul. Brasília: IPEA, 2008.

10. Vieira Neto Z, Carréra M. Análise da arquitetura inclusiva nas Instituições de Longa Permanência em Recife-PE. Rev Arquit Urban. 2013;3(4):104-30.

11. Alves MB, Menezes MR, Felzemburg RDM, Silva VA, Amaral JB. Instituições de longa permanência para idosos: aspectos físico-estruturais e organizacionais. Esc Anna Nery. 2017;21(4):e20160337.
http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0337

12. Souza PD, Benedetti TRB, Borges LJ, Mazo GZ, Gonçalves LHT. Aptidão funcional de idosos residentes em uma instituição de longa permanência. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011;14(1):7-16. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232011000100002

13. Nóbrega IRAP, Leal MCC, Marques APO, Vieira JCM. Fatores associados à depressão em idosos institucionalizados: revisão integrativa. Saúde Debate. 2015;39(105):536-50. http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151050002020

14. Araújo MOPH. O autocuidado em idosos independentes residentes em instituições de longa permanência Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas: 2003.

15. Fernandes MTO, Soares SM. O desenvolvimento de políticas públicas de atenção ao idoso no Brasil. Rev Esc Enf USP. 2012;46(6):1494-1502. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000600029

16. Brasil. Presidência da República. Lei 10.741, de 01 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. [Internet] Brazil, 2003 [Cited 2018 Nov 11] Available from: http://www.planalto.gov.br
/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm.

17. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Caderneta de saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

18. Ribeiro MTF, Ferreira RC, Magalhães CS, Moreira AN, Ferreira EF. Processo de cuidar nas instituições de longa permanência: visão dos cuidadores formais de idosos. Rev Bras Enferm. 2009;62(6):870-5.
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000600011

19. Cornélio GF, Godoy, I. Perfil das instituições de longa permanência para idosos em uma cidade no Estado de São Paulo. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(3):559-68. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232013000300013

20. Salcher EBG, Portella MR, Scortegagna HM. Cenários de instituições de longa permanência para idosos: retratos da realidade vivenciada por equipe multiprofissional. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(2):259-72.
http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14073

21. Silva BT, Santos SSC. Cuidados aos idosos institucionalizados: opiniões do sujeito coletivo enfermeiro para 2026. Acta Paul Enferm. 2010;23(6):775-81. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000600010

22. Piexak DR, Freitas PH, Backes DS, Moreschi C, Ferreira CLL, Souza MHT. Percepção de profissionais de saúde em relação ao cuidado a pessoas idosas institucionalizadas. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(2):201-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232012000200003

23. Abramson EL, McGinnis S, Moore J, Kaushal R; HITEC investigators. A statewide assessment of electronic health record adoption and health information exchange among nursing homes. Health Serv Res. 2014;49(1P t2):361-72. http://dx.doi.org/10.1111/1475-6773.12137

24. Evangelista RA, Bueno AA, Castro PA, Nascimento JN, Araújo NT, Aires GP. Perceptions and experiences of elderly residents in a nursing home. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(spe 2):85-91. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420140000800013

25. Lopes VM, Scofield AMTS, Alcântara RKL, Fernandes BKC, Leite SFP, Borges CL. O que levou os idosos à institucionalização? Rev Enferm UFPE. 2018;12(9):2428-35. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i9a234624p2428-2435-2018

26. Cordeiro LM, Paulino JL, Bessa MEP, Borges CL, Leite SFP. Qualidade de vida do idoso fragilizado e institucionalizado. Acta Paul Enferm. 2015;28(4):361-6. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201500061

27. Santos SB, Oliveira LB, Menegotto IH, Bós AJG, Soldera CLC. Dificuldades auditivas percebidas por moradores longevos e não longevos de uma instituição de longa permanência para idosos. Estud Interdiscipl Envelhec. 2012;17(1):125-43.

28. Oliveira PB, Tavares DMS. Condições de saúde de idosos residentes em instituição de longa permanência segundo necessidades humanas básicas. Rev Bras Enferm. 2014;67(2):241-6. http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140032

29. Borges AM, Santos G, Kummer JA, Fior L, Molin VD, Wibelinger LM. Autopercepção de saúde em idosos residentes em um município do interior do Rio Grande do Sul. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(1):79-86.
http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232014000100009

30. Zimmermann IMM, Leal MCC, Zimmermann RD, Marques APO. Idosos institucionalizados: comprometimento cognitivo e fatores associados. Geriatr Gerontol Aging. 2015;9(3):86-92. http://dx.doi.org/10.5327/Z2447-2115201500030003

31. Pinheiro NCG, Holanda VCD, Melo LL, Medeiros AKB, Lima KC. Desigualdade no perfil dos idosos institucionalizados na cidade de Natal, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(11):3399-3405. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152111.19472015

32. Güths JFS, Jacob MHVM, Santos AMPV, Arossi GA, Béria JU. Perfil sociodemográfico, aspectos familiares, percepção de saúde, capacidade funcional e depressão em idosos institucionalizados no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(2):175-85. http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562017020.160058

33. Lenardt MH, Michel T, Tallmann AEC. A condição de saúde de idosos residentes em Instituição de Longa Permanência. Cogitare Enferm. 2009;14(2):227-36.

34. Paiva SCL, Gomes CP, Almeida LG, Dutra RR, Aguiar NP, Lucinda LMF, et al. A influência das comorbidades, do uso de medicamentos e da institucionalização na capacidade funcional dos idosos. Rev Interdiscip Est Exper. 2014;6:46-53.

35. Moura GA, Souza LK. Práticas de lazer de idosos institucionalizados. Mov. 2013; 19(4):69-93. https://doi.org/10.22456/1982-8918.36131

36. Derhun FM, Castro VC, Mariano PP, Baldissera VDA, Carreira L. Percepção de idosos institucionalizados sobre o lazer. Rev Baiana Enferm. 2018;32:e25703. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v32.25703

37. Berleze DJ, Tolfo JC, Costa VRP, Marques CLS. Idosos institucionalizados em Santa Maria (RS): o lazer como uma possibilidade de inclusão social. Rev Kairós Gerontol. 2014;17(4):189-210. https://doi.org/10.23925/2176-901X.2014v17i4p189-210

38. Freire FS, Mendonça LH, Costa AJB. Sustentabilidade econômica das instituições de longa permanência para idosos. Saúde Debate. 2012;36(95):533-43. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000400005

39. Carvalho VL. Perfil das instituições de longa permanência para idosos situadas em uma capital do Nordeste. Cad Saúde Coletiva. 2014;22(2):184-91. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400020012

40. World Health Organization (WHO). Palliative Care. Cancer control: knowledge into action: WHO guide for effective programs. Genève: World Health Organization, 2007.