Percepção das mães em relação ao aleitamento materno no período do pós parto

Karina Rodrigues Mendes da Aparecida, Loide Corina Chaves, Rosangela Filipini, Isabel Cristine Fernandes

Resumo


Introdução: Para eficácia do aleitamento materno, a Organização Mundial de Saúde propõe a educação das mães durante o momento da gestação pelos profissionais de saúde. Objetivo: Observar as percepções das mães com relação ao aleitamento materno. Métodos: Estudo descritivo de caráter quantitativo utilizando técnica exploratória. esquisa realizada no Centro de Saúde Escola Capuava em Santo André, São Paulo. A população foi constituída por 29 mães submetidas à primeira consulta puerperal. Resultados: As médias de idade e de número de filhos das mães foram 26 anos e 1,8 filhos. Em sua maioria são casadas ou encontra-se em união estável (93,1%) e apresentam ensino médio completo (62,1%). Possuem vínculo empregatício 51,7%. Teve parto cesárea 58,6%. Foram amamentados na sala de parto 69,0% dos recém-nascidos. Possuem mamilos protusos 79,3% das mães, sendo que 55,2% não apresentaram fissuras. Não apresentaram nenhum cuidado em relação à limpeza dos mamilos 37,9% das mães, as demais usaram várias formas, sendo mais comum somente limpeza com leite materno (17,2%) e somente utilização de pomada (13,8%). A frequência de amamentação foi bastante variável. Dos recémnascidos, 89,3% apresentaram pegas corretas. Relataram que tiveram todas as informações necessárias no pré-natal e puerpério 96,6% das mães. Pretendem introduzir precocemente o uso de chupetas para seu recém-nascido 44,8% das mães. Conclusão: As orientações realizadas durante a gestação e puerpério se tornam importantes e aos poucos produzem resultados positivos. Vale enfatizar que o enfermeiro se torna uma peça chave na realização das orientações durante os períodos de gestação e puerpério.


Palavras-chave


aleitamento materno; promoção da saúde; recém-nascido; mães

Texto completo:

PDF

Referências


Graça LCC, Figueiredo MCB, Conceição MTCC. Contributos da intervenção de enfermagem de cuidados de saúde primários para a promoção do aleitamento materno. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011;19(2):429-36. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000200027

Bernardi JLD, Jordão RE, Barros Filho AA. Fatores associados à duração mediana do aleitamento materno em lactentes nascidos em município do estado de São Paulo. Rev Nutr. 2009;22(6):867-78.

http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732009000600008

Rodrigues TMM, Vale LMO, Leitão RAR, Silva RMO, Rocha SS, Pedrosa JIS. A visita domiciliar do enfermeiro à puérpera e ao recém-nascido. Rev Interdiscip. 2011;4(2):21-6.

Barros SM. Enfermagem obstétrica e ginecológica: guia para a prática assistencial. 2 ed. São Paulo: Roca; 2009.

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Vasconcelos AGG. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida. Rev Saúde Pública. 2011;45(1):69-78. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000051

Ferreira HS, Vieira EDF, Cabral Junior CR, Queiroz MDR. Aleitamento materno por trinta ou mais dias é fator de proteção contra sobrepeso em pré-escolares da região semiárida de Alagoas. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(1):74-80.

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000100020

Martins EJ, Giugliani ERJ. Quem são as mulheres que amamentam por 2 anos ou mais. J Pediatr. 2012;88(1):67-73.

http://dx.doi.org/10.2223/JPED.2154

Marques ES, Cotta RMM, Araújo RMA. Representações sociais de mulheres que amamentam sobre a amamentação e o uso de chupeta. Rev Bras Enferm. 2009;62(4):562-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000400012

Simon VGN, Souza JMP, Souza SB. Aleitamento materno, alimentação complementar, sobrepeso e obesidade em pré- escolares. Rev Saúde Pública. 2009;43(1):60-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000100008

Garcia MV, Azevedo MF, Testa JRG, Luiz CBL. A influência do tipo de amamentação nas condições de orelha média de lactentes. Braz J Otorhinolaryngol. 2012;78(1):8-14. http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942012000100002

Souza MHN, Souza IEO, Tocantins FR. A utilização do referencial metodológico de rede social na assistência de enfermagem a mulheres que amamentam. Rev Latino-Am Enfermagem. 2009;17(3):354-60. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692009000300012

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/. Acesso em: 23 out. 2013.

Senesi LG, Tristão EG, Andrade RP, Krajden ML, Oliveira Junior FC, Nascimento DJ. Morbidade e mortalidade neonatais relacionadas à idade materna igual ou superior a 35 anos, segundo a paridade. Rev Bras Ginecol Obstet. 2004;26(6):477-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032004000600009

Weigert EML, Giugliani ERJ, França MCT, Oliveira LD, Bonilha A, Espírito Santo LC, et al. Influência da técnica de amamentação nas frequências de aleitamento materno exclusivo e lesões mamilares no primeiro mês de lactação. J Pediatr. 2005;81(4):310-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572005000500009

Niquini RP, Bittencourt SA, Lacerda EMA, Leal MC. Fatores associados à introdução precoce de leite artificial, Município do Rio de Janeiro, 2007. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(3):446-57.http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2009000300013

Coca KP, Gamba MA, Silva RS, Abrão ACFV. Fatores associados ao trauma mamilar na maternidade. J Pediatr. 2009;85(4):341-5. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1916

Shimoda GT, Silva IA, Santos JLF. Características, freqüência e fatores presentes na ocorrência de lesão de mamilos em nutrizes. Rev Bras Enferm. 2005; 58(5):529-34. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672005000500006

Zorzi NT, Bonilha ALL. Práticas utilizadas pelas puérperas nos problemas mamários. Rev Bras Enferm. 2006;59(4):521-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672006000400009

Batista KRA, Farias MCAD, Melo WSN. Influência da assistência de enfermagem na prática da amamentação no puerpério imediato. Saúde Debate. 2013;37(96):130-8.

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Pérez-Escamilla R. A amamentação na primeira hora de vida e mortalidade neonatal. J Pediatr. 2013;89(2):131-6. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2013.03.005

Oddy WH. Aleitamento materno na primeira hora de vida protege contra a mortalidade neonatal. J Pediatr. 2013;89(2):109-11. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2013.03.012

Silva EP, Lima RT, Ferreira NLS, Costa MJC. Pré-natal na atenção primária do município de João Pessoa-PB: caracterização de serviços e usuárias. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2013;13(1): 29-37.

http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292013000100004

Silva MBC, Moura MEB, Silva AO. Desmame precoce: representações sociais de mães. REE. 2007; 9(1):31-50.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual instrutivo das ações de alimentação e nutrição na rede cegonha. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual AIDPI neonatal. 3 ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Hockenberry MJ, Wilson D. Wong: fundamentos de enfermagem pediátrica. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v39i3.648

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Karina Rodrigues Mendes da Aparecida, Loide Corina Chaves, Rosangela Filipini, Isabel Cristine Fernandes

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/