Automedicação entre estudantes de uma instituição de ensino superior de Goiás

Tarine de Araújo Alves, Guilherme Malafaia

Resumo


Introdução: A automedicação tem sido considerada uma prática crescente nos dias atuais. Objetivo: Conhecer aspectos ligados à prevalência da automedicação e quais medicamentos são mais usados entre estudantes. Métodos: Trata-se de um estudo observacional com delineamento transversal, no qual 160 alunos responderam a um questionário autoaplicado contendo questões diversificadas. Para a análise dos dados foi utilizada estatística descritiva, no software Microsoft Excel. Resultados: Dos participantes, 52,4% eram do sexo masculino e a média de idade foi de 21,5 anos. A prevalência geral da automedicação foi de 68,3%. Os fatores que levam os acadêmicos da instituição investigada a utilizarem medicamentos sem prescrição são principalmente a orientação para a prática da automedicação provinda de fontes de informação não ligadas à área médica e sinais e/ou sintomas relacionados a afecções que causam cefaleias, febre e dores no corpo. Além disso, verificou-se que os estudantes de diferentes cursos superiores da instituição investigada apresentam perfil de automedicação semelhante, com prevalência do uso de medicamentos da classe dos analgésicos, antipiréticos, antibióticos e anti-inflamatórios (não tarjados e de tarja vermelha). Também foi observado pouco conhecimento sobre os efeitos adversos ou sobre as contraindicações do medicamento consumido. Conclusão: A automedicação é um problema grave e importante no âmbito dos cursos superiores do Instituto Federal Goiano, Campus Urutaí, e não se restringe aos universitários ligados apenas às áreas médicas e/ou biológicas, sendo necessária a realização de ações/atividades que contribuam para o uso racional de medicamentos.


Palavras-chave


automedicação; estudantes; educação superior

Texto completo:

PDF

Referências


Arrais PSD, Coelho HLL, Batista MCDS, Carvalho ML, Righi RE, Arnau JM. Perfil da automedicação no Brasil. Rev Saúde Pública. 1997;31(1):71-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000100010

Richard D, Senon JL. O medicamento. São Paulo: Instituto Piaget; 2000. p.146.

Haak H. Padrões de consumo de medicamentos em dois povoados da Bahia (Brasil). Rev Saúde Pública. 1989;23(2):143-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101989000200008

Silva RA, Marques FD, Goes PSA. Fatores associados à automedicação em dor de dente: análise a partir dos profissionais dos estabelecimentos farmacêuticos da cidade do Recife, PE. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(Suppl 0):697-701.

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000700019

Vitor RS, Lopes CP, Menezes HS, Kerkhoff CE. Padrão de consumo de medicamentos sem prescrição médica na cidade de Porto Alegre, RS. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;13(Suppl 0):737-43.

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000700024

Ribeiro MA, Heineck I. Estoque domiciliar de medicamentos na comunidade ibiaense acompanhada pelo programa Saúde da Família, em Ibiá-MG, Brasil. Saúde Soc. 2010;19(3):653-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000300016

Schmid B, Bernal R, Silva NN. Automedicação em adultos de baixa renda no município de São Paulo. Rev Saúde Pública.

;44(6):1039-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000600008

Demétrio GS, Rodriguez GG, Traebert J, Piovezan AP. Prevalência de automedicação para tratamento de dor em município do sul do Brasil. Arq Catarin Med. 2012;41(3):54-9.

Braoios A, Pereira ACS, Bizerra AA, Policarpo OF, Soares NC, Barbosa AS. Uso de antimicrobianos pela população de Jataí (GO), Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(10):3055-60. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001000030

Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológicas (Sinitox). Registros de Intoxicações: Dados Nacionais 1999-2010 [internet]. Disponível em: http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=home. Acesso em: 20 jun. 2013.

Silva RCG, Oliveira TM, Casimiro TS, Vieira KAM, Tardivo MT, Faria Júnior M, et al. Automedicação em acadêmicos do curso de medicina. Medicina (Ribeirão Preto). 2012;45(1):5-11.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.916, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Brasília: Diário Oficial da União; 1998. p.2.

Loyola Filho AI, Uchoa E, Guerra HL, Firmo JOA, Lima-Costa MF. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultado do projeto Bambuí. Rev Saúde Pública. 2002;36(1):55-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000100009

Musial DC, Dutra JS, Becker TCA. A automedicação entre brasileiros. Rev Saúde Biol. 2007;2(2):5-8.

Pizzol TSD, Branco MMN, Carvalho RMA, Pasqualotti A, Maciel EN, Migott AMB. Uso não-médico de medicamentos psicoativos entre escolares do ensino fundamental e médio no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2006;22(1):109-15.

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000100012

Chehuen Neto JA, Sirimarco MT, Choi CMK, Barreto AU, Souza JB. Automedicação entre estudantes da Faculdade de

Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora. Rev HU. 2006;32(3):59-64.

Figueiredo ET, Morais AM, Costa AMDD, Terra FS. Perfil dos estudantes de Medicina frente à automedicação para redução do peso. Rev Soc Bras Clin Med. 2009;7(6):385-89.

Souza LAF, Silva DC, Ferraz GC, Sousa FAEF, Pereira LV. Prevalência e caracterização da prática de automedicação para alívio da dor entre estudantes universitários de enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011;19(2):1-7.

Schuelter-Trevisol F, Trevisol DJ, Jung GS, Jacobowski B. Automedicação em universitários. Rev Soc Bras Clin Med. 2011;9(6):414-7.

Pasquali L. Instrumentos psicológicos: manual prático de elaboração. Brasília: LabPAM/IBAPP; 1999. p.306.

Piotto FRSB, Nogueira RM, Pires OC, Pelógia NCC, Posso IP, Pereira GPG, et al. Prevalência da dor e do uso de analgésicos e anti-inflamatórios na automedicação de pacientes atendidos no Pronto-Socorro Municipal de Taubaté. Rev Dor. 2009;10(4):313-7.

Tamietti MB, Martins MAP, Abreu MHNG, Castilho LS. Fatores associados à automedicação em um serviço brasileiro de emergência odontológica. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2012;12(1):65-9.

Telles Filho PCP, Pereira Júnior AC. Automedicação em crianças de zero a cinco anos: fármacos administrados, conhecimentos, motivos e justificativas. Esc Anna Nery. 2013;17(2):291-7.

http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452013000200013

Pereira Júnior AC, Telles Filho PCP, Azevedo DSS. Automedicação: consumo, orientação e conhecimento entre acadêmicos de enfermagem. Rev Enferm UFPE on line. 2013;7(6):4472-8.

http://dx.doi.org/10.5205/reuol.4164-33013-1-M.0706201321

Andrade A. Uso de dipirona na automedicação. Monografia (Farmácia) – Departamento de Ciências Farmacêuticas da

Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2010.

Conceição S, Morais DCM. Automedicação com antibióticos em estabelecimento farmacêutico do município de Mogi Mirim, SP, Brasil. Rev Foco. 2012;3(3):23-34.

Menezes EA, Oliveira MS, Cunha FA, Pinheiro FG, Bezerra BP. Automedicação com antimicrobianos para o tratamento de infecções urinárias em estabelecimento farmacêutico de Fortaleza (CE). Infarma. 2004;16(11-12):56-9.

Viletti F, Sanches ACC. Uso indiscriminado e/ou irracional de anti-inflamatórios não esteroidais (AINES) observados em uma farmácia de dispensação. Visão Acadêmica. 2009;10(1):69-76.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Medicamentos. Brasília-DF [internet]. Disponível em:

http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Medicamentos . Acesso em: 19 nov. 2013.

Automedicação. Rev Assoc Med Bras. 2001;47(4):269-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302001000400001




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v39i3.649

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Tarine de Araújo Alves, Guilherme Malafaia

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/