Home care in primary health care: an operational synthesis

Caio Vaciski Gallassi, Daniel Felipe Herculano Ramos, Juliana Yumi Kinjo, Bernardino Geraldo Alves Souto

Abstract


The institutionalization of the diseased subject has privileged the scientific medical model and has subordinated family autonomy in the caring of a person with health needs to hospital and to medical knowledge. However, this model has been shown to be inefficient to meet the health demands resulting from demographic and epidemiological transition by which society have been going through. In this context, home care emerges as an alternative to hospital care, making possible the resumption of home as a space for care production, based on principles of humanization and expanded clinic, avoiding unnecessary hospitalizations and making possible a most appropriate use of available resources. This narrative review of literature approaches home care in the context of primary health care. It contemplates its definitions, principles, objectives, organizational aspects, eligibility of subjects to home care, family risk classification, the role of each family health team member, the construction of care technologies, and the development of an efficient data recording system. 


Keywords


primary health care; home nursing; home visit; family health; humanization of assistance; Unified Health System

References


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação-geral de Atenção Domiciliar. Melhor em Casa. A segurança do Hospital no conforto do seu lar. Caderno de atenção domiciliar. v. 1. Brasília:

Ministério da Saúde; 2012.

Prefeitura Municipal de Florianópolis. Secretaria Municipal de Saúde. Assessoria de Desenvolvimento Institucional. Pré-Protocolo de Atenção Domiciliar. Florianópolis, 2009. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/26_10_2009_10.51.23.19d2194ecedc16f5750849dddfb21f0e.pdf. Acesso em: 01 jul. 2013.

Lopes WO, Saupe R, Massaroli A. Visita domiciliar: tecnologia para o cuidado, o ensino e a pesquisa. Ciênc Cuid Saúde. 2008;7(2):241-7. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v7i2.5012

Brant LC, Minayo-Gomes C. A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica à psicodinâmica do trabalho. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(1):213-23. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100021

Mendes AO, Oliveira FA. Visitas domiciliares pela equipe de Saúde da Família: reflexões para um olhar ampliado do profissional. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2007;2(8):253-60. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc2(8)

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de Instrução/Melhor em Casa. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar. Manual Instrutivo de Monitoramento e Avaliação da Atenção Domiciliar/Melhor em Casa. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Lacerda MR, Giacomozzi CM, Oliniski SR, Truppel TC. Atenção à saúde no domicílio: modalidades que fundamentam sua prática. Saúde Soc. 2006;15(2):88-95. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902006000200009

Feueewerker LCM, Merhy EE. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas. Rev Panam Salud Publica. 2008;24(3):180-8.

http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892008000900004

Coelho FLG, Savassi LCM. Aplicação de Escala de Risco Familiar como instrumento de priorização das Visitas Domiciliares. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2004;1(2):19-26. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc1(2)104

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Cadernos Humanizasus: atenção básica. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/11556-cadernos-humanizasus-atencao-basica-ja-estadisponivel-on-line. Acesso em: 26 set. 2013.

Giacomozzi CM, Lacerda MR. A prática da assistência domiciliar dos profissionais da estratégia de saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2006;15(4):645-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000400013

Bernardo WM, Nobre MRC, Jatene FB. A prática clínica baseada em evidências. Parte II - Buscando as evidências em fontes de informação. Rev Bras Reumatol. 2004;44(6):403-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042004000600003

Rother ET. Revisão sistemática X revisão narrativa (Editorial). Acta Paul Enferm. 2007;20(2):6.

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

Ministério da Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde. Disponível em: http://www.saude.gov.br/bvs. Acesso em: 06 jul. 2013.

Souto BGA, Pereira SMSF. História clínica centrada no sujeito: estratégia para um melhor cuidado em saúde. Arq Bras Ciênc Saúde. 2011;36(3):176-81. http://dx.doi.org/10.7322/abcs.v36i3.58

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação-geral de Atenção Domiciliar. Melhor em Casa. A segurança do Hospital no conforto do seu lar. Caderno de atenção domiciliar. v. 2. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em http://dab.saude.gov.br/melhor_em_casa_caderno_ad.php. Acesso em: 17 dez. 2013.

Almeida Filho N. Intersetorialidade, transdisciplinaridade e saúde coletiva: atualizando um debate em aberto. Rev Adm Pública. 2000;34(6):11-34.

Araújo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):455-64. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200022

Franco V. Dimensões transdisciplinares do trabalho de equipe em intervenção precoce. Interação. 2007;11(1):113-21.

Feriotti ML. Equipe multiprofissional, transdisciplinaridade e saúde: desafios do nosso tempo. Vínculo. 2009;6(2):179-90.

Tavares SO, Vendrúsculo CT, Kostulski CA, Gonçalves CS. Interdisciplinaridade, multidisciplinariadade ou transdisciplinaridade. 5o Interfaces no fazer psicológico: direitos humanos, diversidade e diferença. Santa Maria: Centro

Universitário São Francisco (UNIFRA); 2012. Disponível em: http://www.unifra.br/eventos/interfacespsicologia/Trabalhos/3062.pdf. Acesso em: 19 dez. 2013.

Rehem TCMSB, Trad LAB. Assistência domiciliar em saúde: subsídios para um projeto de atenção básica brasileira. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(Suppl):231-42. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000500024




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v39i3.653

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2014 Caio Vaciski Gallassi, Daniel Felipe Herculano Ramos, Juliana Yumi Kinjo, Bernardino Geraldo Alves Souto

License URL: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/