Principais queixas osteomusculares em músicos da região do ABC paulista: um estudo de prevalência

Nádia Reijani, Fernanda Antico Benetti

Resumo


Introdução: Os músicos são profissionais com diversos fatores predisponentes a desenvolver o adoecimento ocupacional. Na maioria das vezes, eles apresentam queixas graves. A conscientização do músico para os riscos que ele pode sofrer e os métodos de prevenção são essenciais para evitar maiores danos que possam impedir a prática da atividade que o profissional exerce, uma vez que a música é relacionada ao bem-estar, ao equilíbrio emocional e ao divertimento. Objetivo: Levantar dados e analisar quais são as principais queixas osteomusculares dos músicos devido à postura adquirida na prática instrumentista. Métodos: A amostra conteve 80 músicos estudantes e profissionais da Associação Cultural Tocando a Vida, da Big Band da Fundação das Artes de São Caetano do Sul e da Orquestra Sinfônica Jovem da Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Esses músicos passaram por uma triagem e posteriormente responderam o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares. Resultados: Foi observado que, para todas as famílias de instrumentos, a metade ou mais apresentam dor causada pela prática instrumentista. Conclusão: Pode-se concluir que as regiões das mãos e da coluna tanto dorsal quanto lombar foram os locais mais afetados pela prática instrumentista independente de a qual família o instrumento pertença. Não foi possível analisar e relacionar a prevalência das lesões osteomusculares dos músicos, pois a grande maioria não realizava acompanhamento médico e não apresentava diagnóstico clínico.


Palavras-chave


LER-DORT; lesões; reabilitação; prevenção; fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Teixeira CS, Merino EAD, Lopes LF. A atividade do músico de orquestra: prática instrumental e desconforto corporal. Disponível em: http://boletimef.org/.../BoletimEF.org_Musico-de-orquestra-praticainstrumental-e-desconforto-corporal.pdf. Acesso em: 04 maio 2015.

Costa CP. Contribuições da ergonomia à saúde do músico: considerações sobre a dimensão física do fazer musical. Música Hodie. 2005;5(2):53-63.

Blum J. Medizinische Probleme bei Musikern. New York: Georg Thieme Verlag; 1995.

Woellner SS, Martina DM, Kienen L. Distonia focal da mão em músicos: implicações para a reabilitação. Arq Catarin Med. 2013;42(3):82-8.

Fry HJ. Prevalence of overuse (injury) syndrome in Australian music schools. Br J Ind Med. 1987;44(1):35-40.

Silva FC, Batista JC, Cruz IR, Deusdará FF, Soares WD. Músicos e o superuso do músculo esquelético. Col Pesq Educação Física. 2008;11(3):1981-4313.

Frank A, Mühlen CAV. Queixas musculoesqueléticas em músicos: prevalência e fatores de risco. Rev Bras Reumatol. 2007;47(3):188-96. http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042007000300008

Han-Sung L, Park HY, Yoon JO, Kim JS, Chun JM, Aminata IW, et al. Musculoskeletal problems in string players. Clin Orthop Surg. 2013;5(3):155-60. http://dx.doi.org//10.4055/cios.2013.5.3.155

Alves CV. Padrões físicos inadequados na performance musical de estudantes de violino. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

Trelha CS, Carvalho RP, Franco SS, Nakaoski T, Broza TP, Fábio TL, et al. Arte e saúde: frequência de sintomas músculo-esqueléticos em músicos da orquestra sinfônica da Universidade Estadual de Londrina. Semina: Ciênc Biol Saúde. 2004;25(1):65-72. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2004v25n1p65

Fragelli TBO, Günther IA. Relação entre dor e antecedentes de adoecimento físico ocupacional: um estudo entre músicos instrumentistas. Per Musi. 2008;(19):18-23. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-75992009000100003

Subtil MML, Bonomo LMM. Avaliação fisioterapêutica nos músicos de uma orquestra filarmônica. Per Musi. 2012;(25):85-90. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-75992012000100008

Chan C, Ackermann B. Evidence-informed physical therapy management of performance-related musculoskeletal disorders in musicians. Front Psychol. 2014;5:706. http://dx.doi.org/10.3389/fpsyg.2014.00706

Costa CP, Abrahão JI. Quando o tocar dói: um olhar ergonômico sobre o fazer musical. Per Musi: Rev Acadêmica Música. 2004;(10):102.

Mazzoni CF, Vieira A, Guthier C, Perdigão D, Marçal MA. Avaliação da incidência de queixas músculo-esqueléticas em músicos instrumentistas de cordas friccionadas. Curitiba: ABERGO; 2006.

Fragelli TB, Gunther IA. Abordagem ecológica para avaliação dos determinantes de comportamento preventivos: inventário aplicado aos músicos. Per Musi. 2012;(25):73-84. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-75992012000100007

Chan C, Driscoll T, Ackermann B. Development of a specific exercise programme for professional orchestral musicians. Inj Prev. 2013;1-7. http://dx.doi.org/10.1136/injuryprev-2012-040608




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v41i1.844

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Nádia Reijani, Fernanda Antico Benetti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.