Hidroterapia no equilíbrio dinâmico e nas atividades de vida diária de pacientes com neurotoxoplasmose associada à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Larissa de Salgado de Oliveira, Elciane Souza de Medeiros, Helber Thiago de Assunção Machado, Anderson Antunes da Costa Moraes, Ediléa Monteiro de Oliveira, Rodrigo Santiago Barbosa Rocha

Resumo


Introdução: Por comprometer as células de defesa do organismo, o Vírus da Imunodeficiência Humana torna o indivíduo vulnerável ao aparecimento de diversas doenças, entre elas a neurotoxoplasmose. Objetivo: Verificar a influência de um protocolo de hidroterapia no equilíbrio dinâmico e nas atividades de vida diária de pacientes com neurotoxoplasmose associada à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA). Métodos: Participaram 15 voluntários, três (20%) do sexo feminino e 12 (80%) do masculino, com média de idade de 37,44±5,5 anos e diagnóstico de neurotoxoplasmose decorrente da SIDA, cadastrados na Unidade de Referência Especializada em Doenças Infectocontagiosas Parasitárias Especiais. Foram submetidos à avaliação do equilíbrio dinâmico pelo Índice de Marcha Dinâmico e à avaliação das atividades de vida diária pelo Índice de Barthel, pré- e pós-hidroterapia, em piscina à temperatura média de 35°C, três vezes por semana em dias alternados, durante 50 minutos, totalizando oito semanas, ou seja, 24 sessões. Foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk para análise de variâncias do Índice de Marcha Dinâmica e do Índice de Barthel, e o teste t de Student para as comparações pré e pós-tratamento e nível de significância de   α=0.05. Resultados: O equilíbrio dinâmico, considerando o escore total, apresentou significância estatística (p<0,0001), quando comparado pós-teste (20,3±2,5) em relação ao pré-teste (13,2±3,2). Quanto às atividades de vida diária, foi evidenciado valor estatisticamente significante (p=0,049) no pós-teste (98,8±2.2) quando comparado ao pré-teste (95,6±3.9). Conclusão: Neste estudo, o protocolo de hidroterapia melhorou o equilíbrio dinâmico e as atividades de vida diária de pacientes com neurotoxoplasmose associada à SIDA.


Palavras-chave


toxoplasmose cerebral; Síndrome da Imunodeficiência Adquirida; fisioterapia; hidroterapia

Texto completo:

PDF

Referências


Silva J, Souza FMS, Lima MAS, Galvão JO, Pichelli AAWS. Quality of life in the context of HIV/AIDS: a comparative study with the general population. J Bras Doenças Sex Transm. 2013;25(2):88-92. http://dx.doi.org/10.5533/DST-2177-8264-201325207

Meirelles BHS, Silva DMGV, Vieira FMA, Souza SS, Coelho IZ, Batista R. Percepções da qualidade de vida de pessoas com hiv/aids. Rev Rene. 2010;11(3):68-76.

Perrut JF, Santos EP, Oliveira BR, Carneiro ACLL, Oliveira GL, Ervilha Júnior, et al. Risco nutricional e sua associação com o tempo e desfecho da internação de pacientes com aids em um hospital de referência em infectologia de Belo Horizonte. Espaço Saúde. 2014;15(1):57-65.

Paula CC, Cabral IE, Souza IEO. Existential movement experienced by adolescents with acquired immunodeficiency syndrome: a phenomenological study. OBJN. 2013;12(1):33-48. http://dx.doi.org/10.5935/1676-4285.20133572

Santos IP, Martins FS, Rech G, Rosa BL, Borba Júnior AM. Déficit neurológico focal e confusão mental em paciente imunossuprimido. Rev Epidemiol Control Infect. 2013;3(3):108-9. http://dx.doi.org/10.17058/reci.v3i3.3766

Soares MT, Pinheiro JBF, Freitas CHSM, Smith AZF, Moreira EFR. Prevalência das coinfecções em pacientes notificados com Aids no Centro de Referência na Paraíba. Rev Bras Ciênc Saúde. 2014;18(Supl. 1):5-12. http://dx.doi.org/10.4034/RBCS.2014.18.s1.01

Alferes DC, Ribeiro MA. Toxoplasmose cerebral: um caso clínico. Rev Científica Acad Força Aérea. 2012;(2):96-111.

Amaral-Natalio M, Silva Nunes G, Herber V, Michaelsen SM. Relação entre cadência da subida e descida de escada, recuperação motora e equilíbrio em indivíduos com hemiparesia. Acta Fisiátrica. 2011;18(3):146-50.

Oliveira LB, Cabral ACA, Holanda LJ, Neves MD, Rolim MM, Silva RGR. Efeitos da hidroterapia na hipertensão arterial sistêmica (HAS): uma revisão bibliográfica. Rev Científica Escola Saúde. 2013;2(2):65-75.

Lisbôa AA, Silva Junior AC, Lima TB, Almeida RD. Efetividade da fisioterapia aquática no tratamento da dor lombar crônica: revisão sistemática com metanálises. Cad Grad Ciênc Biol Saúde. 2012;1(15):33-42.

Cruz DMC, Silva NS, Patti LP, Paiva G, Paolillo AR. Correlação entre sensibilidade, função manual e independência em indivíduos pós acidente vascular cerebral. Rev Para Med. 2015;29(1):23-30.

Schmitz FS, Stigger F. Atividades aquáticas em pacientes com paralisia cerebral: um olhar na perspectiva da fisioterapia. Rev Atenção Saúde. 2014;12(42):78-89. http://dx.doi.org/10.13037/rbcs.vol12n42.2428

Foschiera AIC, Cartonilho G, Teles CBG. Prevalência da toxoplasmose em pacientes atendidos no laboratório central de saúde pública de Porto Velho-RO. Saber Científico. 2009;2(1):92-103.

Araújo TM, Barros LM, Caetano JÁ, Moreira RAN, Frota MN, Feitosa ACL, et al. Neurotoxoplasmose boarding in patients with HIV/Aids in intensive care unit. J Nurs UFPE. 2012;6(5):1046-52. http://dx.doi.org/10.5205/reuol.2450-19397-1-LE.0605201212

Soares AV. A contribuição visual para o controle postural. Rev Neurocienc. 2010;18(3):370-379.

Moreira KLAF, Dornelas L, Tavares GR, Andrade SM. Intervenção fisioterapêutica e Síndrome da Imunodeficiência Adquirida associada à leucoencefalopatia e neurotoxoplasmose: relato de caso. Fisioter Mov. 2007;20(3):35-40.

Trindade APNT, Barboza MA, Oliveira FB, Borges APO. Influência da simetria e transferência de peso nos aspectos motores após Acidente Vascular Cerebral. Rev Neurociênc. 2011;19(1):61-7.

Krueger-Beck E, Scheeren EM, Nogueira-Neto GN, Button VLSN, Neves EB, Nohama P. Potencial de ação: do estímulo à adaptação neural. Fisioter Mov. 2011;24(3):535-47. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000300018

Santos DG, Pegoraro ASN, Abrantes CV, Jakaitis F, Gusman S, Bifulco SC. Avaliação da mobilidade funcional do paciente com sequela de AVC após tratamento na piscina terapêutica, utilizando o teste Timed Up and Go. Einstein. 2011;9(3 Pt 1):302-6.

Avelar NCP, Bastone AC, Alcântara MA, Gomes WF. Efetividade do treinamento de resistência à fadiga dos músculos dos membros inferiores dentro e fora d’água no equilíbrio estático e dinâmico de idosos. Rev Bras Fisioter. 2010;14(3):229-36. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552010000300007

Cruz IBM, Barreto DCM, Fronza AB, Jung IEC, Krewer CC, Rocha MIUM, et al. Equilíbrio dinâmico, estilo de vida e estados emocionais em adultos jovens. Braz J Otorhinolaryngol. 2010;76(3): 392-398. http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942010000300020

Meereis ECW, Favretto C, Souza J, Marques CLS, Gonçalves MP, Mota CB. Análise do equilíbrio dinâmico de idosas institucionalizadas após Hidrocinesioterapia. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(1):41-47. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232013000100005

Girondi JBR, Hammerschimidt KSA, Tristão FR, Fernandez DLR. O uso do Índice de Barthel Modificado em idosos: contrapondo capacidade funcional, dependência e fragilidade. J Health Biol Sci. 2014;2(4):213-17. http://dx.doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v2i4.106.p213-217.2014




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v41i1.845

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Larissa de Salgado de Oliveira, Elciane Souza de Medeiros, Helber Thiago de Assunção Machado, Anderson Antunes da Costa Moraes, Ediléa Monteiro de Oliveira, Rodrigo Santiago Barbosa Rocha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.