Os benefícios da fisioterapia neurofuncional em pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica: revisão sistemática

Maria Talita dos Santos Guimarães, Vanessa Donato do Vale, Tsutomu Aoki

Resumo


A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa do sistema nervoso central (SNC) que acomete tanto o neurônio motor superior (NMS) quanto o neurônio motor inferior (NMI), causando fraqueza e diminuição progressiva das habilidades funcionais. Entre os profissionais de saúde existe um déficit de informações sobre os objetivos e benefícios da fisioterapia nesta população. O objetivo deste estudo foi identificar os resultados da fisioterapia neurofuncional em pacientes com ELA. Realizou-se uma busca nas bases de dados Medline, Lilacs, SciELO, IBECS e PEDro, utilizando os seguintes descritores: esclerose lateral amiotrófica, espasticidade, força muscular, fadiga, fisioterapia, reabilitação, exercício e qualidade de vida. A busca resultou em dois artigos que tiveram seus resultados analisados, os dois avaliaram os resultados de um programa de exercícios domiciliares de intensidade moderada, associados ou não a outra conduta terapêutica. Os estudos encontrados apontaram menor deterioração na ALS Functional Rating Scale, e diminuição da espasticidade. Em conclusão, a fisioterapia neurofuncional mostrou-se eficaz na manutenção da funcionalidade de pacientes com ELA por tempo mais prolongado.


Palavras-chave


esclerose amiotrófica lateral; fisioterapia; revisão

Texto completo:

PDF

Referências


Bandeira FM, Quadros NNCL, Almeida KJQ, Caldeira RM. Avaliação da qualidade de vida de pacientes portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) em Brasília. Rev Neurocienc. 2010;18(2):133-38.

Chaves ACX, Silva TM, Labronici RHDD, Cunha MCB, Oliveira ASB. Hidrocinesioterapia para pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA): relato de caso. Rev Neurocienc. 2010;18(1):55-9.

Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica. ELA. Disponível em: http://www.abrela.org.br. Acesso em: 20 out. 2013.

Oliveira ASB, Pereira RDB. Amyotrophic Lateral Sclerosis (ALS) Three letters that change the people’s life. For ever. Arq Neuropsiquiatr. 2009;67(3A):750-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2009000400040

Chen A, Montes J, Mitsumoto H. The role of exercise in Amyotrophic Lateral Sclerosis. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2008;19(3):545-57. http://dx.doi.org/10.1016/j.pmr.2008.02.003

Van Groenestijn AC, van de Port IGL, Schröder CD, Post MWM, Grupstra HF, Kruitwagen ET, et al. Effects of aerobic exercise therapy and cognitive behavioural therapy on functioning and quality of life in amyotrophic lateral sclerosis: protocol of the FACTS-2-ALS trial. BMC Neurol. 2011; 11:70. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2377-11-70

Pozza AM, Delamura MK, Ramirez C, Valério NI, Marino LHC, Lamari NM. Physiotherapeutic conduct in amyotrophic lateral sclerosis. Sao Paulo Med J. 2006; 124(6):350-4. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802006000600011

Pizzimenti A, Aragona M, Onesti E, Inghilleri M. Depression, pain and quality of life in patients with Amyotrophic Lateral Sclerosis: a cross-sectional study. Funct Neurol. 2013;28(2):115-19. http://dx.doi.org/10.11138/FNeur/2013.28.2.115

Linden Junior E. Abordagem Fisioterapêutica na Esclerose Lateral Amiotrófica: artigo de atualização. Rev Neurocienc 2013;21(2);313-18. http://dx.doi.org/10.4181/rnc.2013.21.803.6p

Linden Junior E, Becker J, Schestatsky P, Rotta FT, Marrone CD, Gomes I. Prevalence of amyotrophic lateral sclerosis in the city of Porto Alegre, in Southern Brazil. Arq Neuropsiquiatr. 2013;71(12):959-62.

Abraham A, Drory VE. Fatigue in motor neuron diseases. Neuromuscul Disord. 2012;22(supl. 3):S198-S202. http://dx.doi.org/10.1016/j.nmd.2012.10.013

Marinho Junior C, Foss MHD, Gonçalves C, Martins MRI, Maia TB. Facilitação neuromuscular proprioceptiva na Esclerose Lateral Amiotrófica. Rev Fisioter Saúde Funcional. 2013;2(1);69-74.

Facchinetti LD, Orsini M, Lima MASD. Os riscos do exercício excessivo na esclerose lateral amiotrófica: atualização da literatura. Rev Bras Neurol. 2009;45(3);33-8.

Xerez DR. Reabilitação na esclerose lateral amiotrófica: revisão da literatura. Acta Fisiatr. 2008;15(3):182-88.

Honorato ES, Martins EF. Evidências para direcionamento da intervenção fisioterapêutica nas alterações cinético-funcionais geradas pela Esclerose Lateral Amiotrófica. Rev Atenção Saúde. 2008;6(15):66-74. http://dx.doi.org/10.13037/rbcs.vol6n15.541

Tudo Sobre ELA: Esclerose Lateral Amiotrófica [internet]. Relações: Entrevistas Walter Bradley. Disponível em: http://www.tudosobreela.com.br. Acesso em: 22 set. 2015.

Almeida JP, Silvestre R, Pinto AC, de Carvalho M. Exercise and Amyotrophic Lateral Sclerosis. Neurol Sci. 2012;33(1):9-15. http://dx.doi.org/10.1007/s10072-011-0921-9

Resqueti VR, Araújo PRS, Dourado Junior ME, Fregonezi GAF. Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e músculos respiratórios. Ter Man. 2011;9(43);297-303.

Piemonte MEP. Manual de exercícios domiciliares para pacientes com esclerose lateral amiotrófica. Vol I, II, III. Manole; 2001.

Orsini M, Freitas MRG, Mello MP, Antonioli RS, Reis JPB, Nascimento OJM, et al. Reabilitação física na Esclerose Lateral Amiotrófica. Rev Neurocienc. 2009;17(1):30-6.

Martins LJNS, Silva NPO, Ferreira TB, Cavalcanti FAC. Associação entre fadiga e fatores clínico-pessoais de pacientes com esclerose lateral amiotrófica. ConScientiae Saúde. 2013;12(4):604-10. http://dx.doi.org/10.5585/ConsSaude.v12n4.4342

Lo Coco D, La Bella V. Fatigue, sleep, and nocturnal complaints in patients with amyotrophic lateral sclerosis. Eur J Neurol. 2012;19(5):760-63. http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-1331.2011.03637.x

Ashworth NL, Satkunam LE, Deforge D. Treatment for spasticity in Amyotrophic Lateral Sclerosis/motor neuron disease. Cochrane Database Syst Rev. 2006;25(1): CD004156. http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD004156.pub3

Dal Bello-Haas V, Kloos AD, Mitsumoto H. Physical therapy for a patient through six stages of amyotrophic lateral sclerosis. Phys Ther. 1998;78(12):1312-24.

Oxford Centre For Evidence Based Medicine [internet]. Levels of evidence. Disponível em: http://www.cebm.net/index.aspx?o=1025. Acesso em: 07 maio 2014.

Salvetti MG, Kurita GP, Longo ES, Pimenta CAM. Efeitos da intervenção exposição ao vivo e atividades graduais sobre a incapacidade e a crença de medo e evitação em pacientes com dor lombar crônica. Rev Bras Ter Comp Cogn. 2012;14(13):123-33.

Shiwa SR, Costa LOP, Moser ADL, Aguiar IC, Oliveira LVF. PEDro: a base de dados de evidências em fisioterapia. Fisioter Mov. 2011;24(3):523-33. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000300017

Cipolat S, Pereira BB, Ferreira FV. Fisioterapia em pacientes com leucemia: revisão sistemática. Rev Bras Cancerol. 2011;57(2):229-36.

Bello-Haas VD, Florence JM, Kloos AD, Scheirbecker J, Lopate G, Hayes SM, et al. A randomized controlled Trial of resistance exercise in individuals with ALS. Neurology. 2007;68(23);2003-7. http://dx.doi.org/10.1212/01.wnl.0000264418.92308.a4

Drory VE, Goltsman E, Reznik JG, Mosek A, Korczyn. The value of muscle exercise in patients with amyotrophic lateral sclerosis. J Neurol Sci. 2001;191(1-2):133-7. http://dx.doi.org/10.1016/S0022-510X(01)00610-4




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v41i2.874

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Guimarães et al.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.