Qualidade de vida e independência funcional de idosos frequentadores do clube do idoso do município de Sorocaba

Bruna Malavazzi Lima, Franciele Andrade Araújo, Fátima Ayres de Araújo Scattolin

Resumo


Introdução: Nos últimos anos a expectativa de vida vem aumentando em todo o mundo. A manutenção da capacidade funcional e da qualidade de vida (QV) dessa população é um dos desafios da atualidade. Objetivo: Avaliar a QV e a independência funcional de idosos frequentadores do Clube do Idoso do município de Sorocaba e investigar a correlação entre essas medidas. Métodos: Participaram idosos de ambos os sexos com idade ≥60 anos. Foram utilizados: Instrwumento de Caracterização Sociodemográfica; World Health Organization Quality of Life Assessment-Old (WHOQOL-OLD) e Medida de Independência Funcional (MIF). Análises estatísticas realizadas: teste de Mann-Whitney e teste de Kruskal-Wallis para comparação entre os escores e o coeficiente de correlação de postos de Spearman para verificar a correlação entre os instrumentos. Resultados: Participaram 71 idosos, 69,01% mulheres, 56,34% com idade entre 60 e 69 anos, 33,80% casados e 83,10% aposentados. Não houve diferenças significativas quanto ao sexo para os dois instrumentos e quanto à idade nos escores do WHOQOL-OLD. Os idosos ≥80 anos apresentaram queda da independência funcional (p<0,001) e aqueles com mais anos de estudo apresentaram maior independência funcional e avaliaram melhor a QV global. Houve correlação diretamente proporcional entre escores da MIF e QV. Conclusão: Este estudo apontou que a funcionalidade está diretamente ligada à QV. Daí a importância dos grupos de terceira idade como forma de favorecer a prática de atividade física e aumentar a interação social, fatores essenciais na proteção e promoção da saúde e da QV dessa população.


Palavras-chave


idoso; qualidade de vida; saúde do idoso; envelhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho JAM, Rodríguez-Wong LL. A transição da estrutura etária da população brasileira na primeira metade do século XXI. Cad Saúde Pública. 2008;24(3):597-605. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000300013

Paschoal SMP. Qualidade de vida na velhice. In: Freitas EV, Py L, Néri AL, Cançado FAX, Gorzoni ML, Rocha SM. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002; p.79-84.

Moreira MIC, Bedran PM, Carellos SMSD. A família contemporânea brasileira em contexto de fragilidade social e os novos direitos das crianças: desafios éticos. Psicol Rev. 2011;17(1):161-80.

Wirth MN. As novas configurações da família contemporânea e o discurso religioso. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10. Anais Eletrônicos. Florianópolis; 2013.

Nasri F. O envelhecimento populacional no Brasil. Einstein (São Paulo). 2008;6(Supl. 1):S4-6.

Fleck MPA (Org.). A avaliação de qualidade de vida: guia para professionais da saúde. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Young Y, Fan MY, Hebel JR, Boult C. Concurrrent validity of administering the functional independence measure (FIM) instrument by interview. Am J Phys Med Rehabil. 2009;88(9):766-70. http://dx.doi.org/10.1097/PHM.0b013e3181a9f1d6

Virués-Ortega J, de Pedro-Cuesta J, Seijo-Martínez M, Saz P, Sánchez-Sánchez F, Rojo-Pérez F, et al. Prevalence of disability in a composite ≥75year old population in Spain: a screening survey based on the International Classification of Functioning. BMC Public Health. 2011;11:176. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-11-176

Ottenbacher KJ, Hsu Y, Granger CV, Fiedler RC. The reliability of the functional independence measure: a quantitative review. Arch Phys Med Rehabil. 1996;77(12): 1226-32. http://dx.doi.org/10.1016/S0003-9993(96)90184-7

Riberto M, Miyazaki MH, Jorge Filho D, Sakamoto H, Battistella LR. Reprodutibilidade da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátrica. 2001;8(1):45-52.

Kawasaki K, Cruz KCT, Diogo MJD. A utilização da Medida de Independência Funcional (MIF) em idosos: uma revisão bibliográfica. Med Reabil. 2004;23(3):57-60.

Stevens JP. Applied Multivariate Statistics for the Social Sciences. 2nd ed. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates; 1992; p. 123-7.

Hulley SB, Cummings SR, Browner WS, Grady DG, Newman TB. Designing clinical research. Baltimore: Williams & Wilkins; 1998; p. 218.

The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): development and general psychometric properties. Soc Sci Med. 1998;46(12):1569-85.

Fleck MP, Chachamovich E, Trentini C. Development and validation of the Portuguese version of The WHOQOL-OLD module. Rev Saúde Pública. 2006;40(5):785-91. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000600007

Ajzen I, Fishbein M. Understanding attitudes and predicting social behavior. New Jersey: Prentice Hall; 1980; p.278.

Pilger C, Menon MH, Mathias TAF. Características sociodemográficas e de saúde de idosos: contribuições para os serviços de saúde. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011;19(5):1230-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000500022

Almeida AV. O processo de feminização da velhice no município de Viçosa, MG: características, relações e risco social. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2015.

Nascimento MR. Feminização do envelhecimento populacional: expectativas e realidades de mulheres idosas quanto ao suporte familiar. In: Wong LR. O envelhecimento da população brasileira e o aumento da longevidade: subsídios para políticas orientadas ao bem-estar do idoso. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, ABEP; 2001.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2012/default_sintese.shtm. Acesso em: 02 out. 2015.

Mendes MRSSB, Gusmão JL, Faro ACM, Leite RCBO. A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enferm. 2005;18(4):422-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002005000400011

Lebrão ML, Laurenti R. Saúde, bem-estar e envelhecimento: o estudo SABE no município de São Paulo. Rev Bras Epidemiol. 2005;8(2):127-41. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2005000200005

Montilla DER. Informação epidemiológica e populacional: disponibilidade, qualidade e acesso aos sistemas de informação em saúde. Disponível em: http://www5.ensp.fiocruz.br/biblioteca/dados/txt_549699727.pdf. Acesso em: 02 out. 2015.

Miranda LC, Banhato EFC. Qualidade de vida na terceira idade: a influência da participação em grupos. Psicol Pesquisa UFJF. 2008;2(1):69-80.

Dagios P, Vasconcellos C, Evangelista DHR. Avaliação da qualidade de vida: comparação entre idosos não institucionalizados participantes de um Centro de Convivência e idosos institucionalizados em JI-Paraná/RO. Estud Interdiscip Envelhec. 2015;20(2):469-84.

Neri AL. Velhice e qualidade de vida na mulher. In: Neri AL. Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. Campinas: Papirus; 2001; p. 161-200.

Ferretti F, Beskow GCT, Slaviero RC, Ribeiro CG. Análise da qualidade de vida em idosos praticantes e não praticantes de exercício físico regular. Estud Interdiscip Envelhec. 2015;20(3):729-43.

Ferraresi JR, Prata MG, Scheicher ME. Avaliação do equilíbrio e do nível de independência funcional de idosos da comunidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(3):499-506. http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14051

Pereira FM, Besse M. Fatores associados à independência funcional de idosos residentes em instituição de longa permanência. Acta Fisiátrica. 2011;18(2):66-70.

Pereira KCR, Alvarez AM, Traebert JL. Contribuição das condições sociodemográficas para a percepção da qualidade de vida em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011;14(1):85-95.

Maués CR, Paschoal SMP, Jaluul O, França CC, Jacob Filho W. Avaliação da qualidade de vida: comparação entre idosos jovens e muito idosos. Rev Bras Clin Med. 2010;8(5):405-10.

García EL, Banegas JR, Pérez-Regadera AG, Cabrera RH, Rodríguez-Artalejo F. Social network and health-related quality of life in older adults: a population-based study in Spain. Qual Life Res. 2005;14(2):511-20.

Faller JW, Melo WA, Versa GLGS, Marcon SS. Qualidade de vida de idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família de Foz do Iguaçu-PR. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010;14(4):803-10. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000400021

Vitorino LM, Paskulin LMG, Vianna LAC. Qualidade de vida de idosos da comunidade e de instituições de longa permanência: estudo comparativo. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013;21(spe):3-11. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000700002

Caneppele MCGL. Capacidade funcional e qualidade de vida de indivíduos idosos de Porto Alegre. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

Pereira RJ, Cotta RMM, Franceschini SCC, Ribeiro RCL, Sampaio RF, Priore SE, et al. Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Rev Psiquiatr Rio Gd Sul. 2006;28(1):27-38. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082006000100005

Vieira KFL, Miranda RS, Coutinho MPL. Sexualidade na velhice: um estudo de representações sociais. Psicol Saber Soc. 2012;1(1):120-8.

Serbim AK, Figueiredo AEPL. Qualidade de vida de idosos em um grupo de convivência. Sci Med. 2011;21(4):166-72.

Gomes Neto M, Castro MF. Estudo comparativo da independência funcional e qualidade de vida entre idosos ativos e sedentários. Rev Bras Med Esporte. 2012;18(4):234-7. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922012000400003




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v41i3.907

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Bruna Malavazzi Lima, Franciele Andrade Araújo, Fátima Ayres de Araújo Scattolin

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.