Lifestyle, morbidity and multimorbity in adult Quilombolas

Main Article Content

Ingred Laíla da Silva Almeida
Saul Ricardo dos Santos
Bruno Morbeck de Queiroz
Ricardo Fraklin de Freitas Mussi

Abstract

Introduction: The negative lifestyle has been associated with adverse health conditions, predisposing to the increase of morbidity and mortality in various populations. Objective: To evaluate the association of lifestyle with morbidities and multimorbidity in adult quilombolas, residents of slave descendant communities (quilombos). Methods: Cross-sectional study with a representative sample of adult living in quilombos located in a geographical region of Bahia State, in Brazil. Data were obtained by applying a standardized form for sociodemographic characteristics and morbidities. Lifestyle was evaluated using the questionnaire Perfil de Estilo de Vida Individual (PEVI), encompassing the domains: nutrition, physical activity, preventive behavior, social relationships and stress control. Poisson regression was used to estimate prevalence ratios, with statistical significance for p<0.05. Results: Negative PEVI score were identified in 18.5% of the quilombolas. High blood pressure, central obesity and multimorbity affected 53.5%, 56.2% and 50.2% of the population, respectively. Men had more positive PEVI score, however the nutrition domain was more negative. Physical activity and stress control domains from women were more negative. Central obesity was associated to the domain of physical activity. Dyslipidemias and multimorbidity were associated with the domain of preventive behavior. Conclusion: About one fifth of the quilombolas presented negative PEVI and high prevalence of morbidity and multimorbidity. The different associations between PEVI and its domains (physical activity, preventive behavior and stress control) reveal that the adoption of positive health habits infers in the presence of morbidities.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Almeida, I. L. da S., Santos, S. R. dos, Queiroz, B. M. de, & Mussi, R. F. de F. (2020). Lifestyle, morbidity and multimorbity in adult Quilombolas. ABCS Health Sciences, 45. https://doi.org/10.7322/abcshs.45.2020.1325
Section
Original Articles
Author Biographies

Bruno Morbeck de Queiroz, Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) – Vitória da Conquista (BA), Brazil

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2012)

Mestre em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (2015)

Professor Assistente do Curso de Educação Física da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC- Campus Vitória da Conquista)

Professor Substituto da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Guanambi (BA)

Ricardo Fraklin de Freitas Mussi, Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade, Universidade do Estado da Bahia (UNEB) – Caetité (BA), Brazil

Licenciado em Educação Física (UNEB/BA)

Especialista em Fisiologia do Exercício (UVA/RJ)

Especialista em Treinamento Desportivo (UGF/RJ)

Especialista em Saúde Pública (FG/BA)

Mestre em Saúde Coletiva (UEFS/BA) e doutor em Educação Física (UFSC/SC)

Professor, Pesquisador na Universidade do Estado da Bahia (UNEB/BA) desenvolvendo atividades em cursos de graduação, especialização e no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS/UNEB/Alto Sertão baiano)

References

1. Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):548-54. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000025

2. Nunes BP, Chiavegatto Filho ADP, Pati S, Teixeira DSC, Flores TR, Camargo-Figuera FA, et al. Contextual and individual inequalities of multimorbidity in Brazilian adults: a cross-sectional national-based study. BMJ Open. 2017;7(6):e015885. http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2017-015885

3. Malta DC, Andrade SSCA, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Silva Júnior JB, et al. Estilos de vida da população brasileira: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):217-26. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-497420150002000004

4. Silva JAN. Condições sanitárias e de saúde em Caiana dos Crioulos, uma comunidade quilombola do estado da Paraíba. Saúde Soc. 2007;16(2):111-24. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902007000200011

5. Gomes KO, Reis EA, Guimarães MDC, Cherchiglia ML. Utilização de serviços de saúde por população quilombola do Sudoeste da Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013; 29(9):1829-42. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00151412

6. Almeida JA, Santos AS, Nascimento MAO, Oliveira JVC, Silva DG, Mendes-Netto RS. Fatores associados ao risco de insegurança alimentar e nutricional em famílias de assentamentos rurais. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(2):479-88. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017222.27102015

7. Bezerra VM, Andrade ACS, César CC, Caiaffa WT. Domínios de atividade física em comunidades quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil: estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2015;31(6):1213-24. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00056414

8. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI). Economia e social. [Internet] [Cited 2016 Feb 01] Available from: http://www.sei.ba.gov.br/

9. Brasil. Fundação Cultural dos Palmares (FCP). Quilombola. [Internet] [Cited 2018 Sep 27] Available from: http://www.palmares.gov.br

10. Brasil. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (SEPPIR). Programa Brasil Quilombola. Comunidades quilombolas brasileiras: regularização fundiária e políticas públicas. Brasília: 2007.

11. Luiz RR, Magnanini MMF. A lógica da determinação do tamanho da amostra em investigações epidemiológicas. Cad Saúde Coletiva. 2000;8(2):9-28.

12. Both J, Borgatto A, Nascimento JV, Sonoo CN, Lemos CAF, Nahas MV. Validação da escala perfil do estilo de vida individual. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2008;13(1):5-14. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.13n1p5-14

13. Bezerra VM, Medeiros DS, Gomes KO, Souzas R, Giatti L, Steffens AP, et al. Inquérito de Saúde em Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto COMQUISTA): aspectos metodológicos e análise descritiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(6):1835-47. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014196.01992013

14. Stewart TOA, Marfell-Jones LCM, Stewart A, Marfell-Jones M. International standards for anthropometric assessment. New Zealand: ISAK, 2011.

15. Christofaro DG, Fernandes RA, Gerage AM, Alves MJ, Polito MD, Oliveira AR. Validation of the Omron HEM 742 blood pressure monitoring device in adolescents. Arq Bras Cardiol. 2009;92(1):10-5. http://dx.doi.org/10.1590/s0066-782x2009000100003

16. López-Jaramillo P, Sánchez RA, Díaz M, Cobos L, Bryce A, Parra-Carrillo JZ, et al. Consenso latino-americano de hipertensão em pacientes com diabetes tipo 2 e síndrome metabólica. Arq Bras Endocrinol Metab 2014;58(3):205-25. http://dx.doi.org/10.1590/0004-2730000003019

17. Boccolini CS, Boccolini PMM, Damacena GN, Ferreira APS, Szwarcwald CL. Fatores associados à discriminação percebida nos serviços de saúde do Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(2):371-8. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015212.19412015

18. Santos LRCS, Assunção AA, Lima EP. Dor nas costas em adultos residentes em territórios quilombolas, Bahia. Rev Saúde Pública. 2014;48(5):750-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005317

19. Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007;23(3):565-74. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015

20. Pedrosa M. Atenção integral à saúde da mulher: desafios para implementação na prática assistencial. Rev Bras Med Família Comun. 2005;1(3):72-80. https://doi.org/10.5712/rbmfc1(3)12

21. Mussi RFF, Mussi LMPT, Bahia CS, Amorim AM. Atividades físicas praticadas no tempo livre em comunidade quilombola do alto sertão baiano. Licere. 2015;18(1):157-87.

22. Bicalho PG, Hallal PC, Gazzinelli A, Knuth AG, Velásquez-Meléndez G. Atividade física e fatores associados em adultos de área rural em Minas Gerais, Brasil. Rev Saúde Pública. 2010;44(5):884-93. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000023

23. Mariath AB, Grillo LP, Silva RO, Schmitz P, Campos IC, Medina JRP, et al. Obesidade e fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis entre usuários de unidade de alimentação e nutrição. Cad Saúde Pública. 2007;23(4):897-905. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000400017

24. Oliveira SKM, Caldeira AP. Fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis em quilombolas do norte de Minas Gerais. Cad Saúde Coletiva. 2015;24(4):420-7. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201600040093

25. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

26. Soares DA, Barreto SM. Sobrepeso e obesidade abdominal em adultos quilombolas, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(2):341-54. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00004613

27. Mussi RFFM, Amorim AM, Almeida CB, Petroski EL. Obesidade Central e Fatores Associados em Quilombolas do Alto Sertão Baiano, Brasil. Anais do Cuba Salud 2018. Havana: Ministerio de Salud Pública de Cuba, [Internet] 2018 [Cited Cited 2016 Feb 01]. Available from: http://www.convencionsalud2017.sld.cu/index.php/connvencionsalud/2018/paper/viewFile/1428/2519

28. Pereira LO, Francischi RP, Lancha Jr AH. Obesidade: hábitos nutricionais, sedentarismo e resistência à insulina. Arq Bras Endocrinol Metab. 2003;47(2):111-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302003000200003

29. Batista SR. A complexidade da multimorbidade. J Manag Prim Health Care. 2014;5(1):125-6. https://doi.org/10.14295/jmphc.v5i1.205

30. Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012;46(supl.1):126-34. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017