Experiência de um estágio curricular em Terapia Ocupacional na atenção primária: foco nas necessidades em saúde infantil

Teresa Cristina Brito Ruas, Fernanda Castilho Leite, Marco Akerman, Heloisa Ravanini Gagliardo

Resumo


Introdução: A atenção à saúde infantil no Brasil enfrenta problemas reais na execução efetiva de ações transformadoras de suas práticas, capazes de responder às demandas individuais e coletivas no que se refere a sua promoção, proteção e recuperação. Relato de experiência: Este estudo trata da experiência de alunos do quarto ano de Terapia Ocupacional (TO) — em uma unidade básica de saúde (UBS) da cidade de Santo André — na implantação e no desenvolvimento de ações voltadas à atenção primária à saúde infantil em um estágio curricular obrigatório desde 2010. Neste relato foram enfocadas as atividades — guiadas pelo princípio metodológico reflexão‑ação‑reflexão — desenvolvidas na brinquedoteca e no acompanhamento do desenvolvimento infantil. Conclusão: Essa experiência com crianças em situação de vulnerabilidade social e/ou biológica tem nos mostrado a urgência em aproximar a instituição de ensino superior das necessidades locais em saúde, tornando possível uma prática profissional com ações capazes de reconhecer e fornecer recursos para potencializar e acompanhar as características próprias da infância.


Palavras-chave


terapia ocupacional; saúde infantil; promoção em saúde; prevenção de doenças; aprendizagem baseada na experiência; extensão comunitária.

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira DC, Sá CP, Gomes AMT, Ramos RS, Pereira NA, Santos WCR. A política pública de saúde brasileira: representação e memória social de profissionais. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):197‑206. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑311X2008000100020

Rodrigues MP, Lima KC, Roncalli AG. A representação social do cuidado no programa saúde da família na cidade de Natal. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(1):71‑82. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232008000100012

Westphal MF. Promoção da saúde e prevenção de doenças. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond M, Carvalho YM (orgs.). São Paulo: Hucitec; 2006; p.635‑88.

Segre M, Ferraz FC. O conceito de saúde. Rev Saúde Pública. 1997;31(5):538‑42. http://dx.doi.org/10.1590/S0034‑89101997000600016

Jurdi APS, Brunello MIB, Honda M. Terapia Ocupacional e propostas de intervenção na rede pública de ensino. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2004;15(1):26‑32. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238‑6149.v15i1p26‑32

Lopes RE. Cidadania, políticas públicas e terapia ocupacional. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

Barros DD, Lopes RE, Galheigo SM. Projeto Metuia ‑ Terapia Ocupacional no Campo Social. Mundo Saúde. 2002;26(3):365‑9.

Galheigo SM. O social: idas e vindas de um campo de ação em Terapia Ocupacional. In: Pádua EMM, Magalhães LV. Terapia Ocupacional: teoria e prática. Campinas: Papirus; 2003. p.29‑46.

Morin E, Almeida M C, Carvalho EA. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. Editora Cortez; São Paulo: 2000. p.102.

Aoki M, Oliver FC, Nicolau SM. Pelo direito de brincar: Conhecendo a infância e potencializando a ação da Terapia Ocupacional. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2006; 17(2):57‑63. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238‑6149.v17i2p57‑63

Freire, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz & Terra; 2003. p. 20‑45.

Malfitano APS, Braga IF, Silva KG, Motta NG. A Promoção de direitos de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social: oficina de brincadeiras como recurso. Cad Ter Ocupacional UFSCar. 2006:14(2):103‑110.

Dessen MA, Silva NLP. A família e os programas de intervenção: tendências atuais. In: Mendes EG, Almeida MA, Williams LCA (orgs.). Temas em Educação Especial: avanços recentes. São Carlos: EdUFSCar; 2004.

Takatori M. O brincar na Terapia Ocupacional: um enfoque na criança com lesões neurológicas. São Paulo: Zagodoni; 2012.

Gagliardo HGRG, Gonçalves VMG, Lima MCMP, Françoso MFC, Aranha Netto A. Visual function and fine‑motor control in small‑for‑gestational age infants. Arq Neuropsiquiatr. 2004;62(4):955‑62.




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.813

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Teresa Cristina Brito Ruas, Fernanda Castilho Leite, Marco Akerman, Heloisa Ravanini Gagliardo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.