Contribuição do curso de especialização em Atenção Primária à Saúde à prática de profissionais da saúde

Luciana Bisio Mattos, Alessandra Dahmer, Cleidilene Ramos Magalhães

Resumo


Introdução: Este estudo situa‑se no escopo da educação permanente em saúde, ferramenta que tem sido fundamental para provocar mudanças nas práticas do trabalho em saúde. Neste cenário, a prática da atenção primária à saúde, em especial a saúde da família, tem sido utilizada para efetivar a organização dos serviços de saúde no Brasil. Objetivo: Analisar a contribuição de um curso de especialização em Saúde da Família, nas modalidades presencial e à distância, para a prática de profissionais de saúde no estado do Rio Grande do Sul. Métodos: Trata‑se de um estudo qualitativo, realizado no contexto de um curso de especialização em Saúde da Família, ofertado por duas instituições em Porto Alegre, utilizando‑se um questionário on‑line e um grupo focal. Resultados: Os participantes do estudo foram 64 profissionais de saúde (médicos, enfermeiros e odontólogos) que já atuavam na atenção primária à saúde e integraram as turmas nas modalidades presencial e à distância. Foram realizados dois grupos focais (durante o início e ao final do curso), além de terem sido analisadas as percepções dos profissionais em relação à contribuição do curso na prática profissional. Conclusão: O curso provocou mudanças, tais como reorganização do processo de trabalho da equipe, implementação de atividades coletivas e acolhimento à demanda espontânea, além de maior compreensão do processo de trabalho.


Palavras-chave


educação em saúde; atenção primária à saúde; saúde da família.

Texto completo:

PDF

Referências


Connil EM. Ensaio histórico‑conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(suppl 1):S7‑S27. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑311X2008001300002

Brasil. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasília: Presidência da República; 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Motta JIJ. Educação permanente em saúde: da política do consenso à construção do dissenso [tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1998.

Lima JV, Turini B, Carvalho BG, Nunes EF, Lepre RL, Mainardes P, et al. A educação permanente em saúde como estratégia pedagógica de transformação das práticas: possibilidades e limites. Trab Educ Saúde. 2010;8(2):207‑27.

Lopes SR, Piovesan ET, Melo LO, Pereira MF. Potencialidades da educação permanente para a transformação das práticas de saúde. Com Ciências Saúde. 2007;18(2):147‑55.

Brasil. Portaria GM/MS n. 198, de 13 de fevereiro de 2004. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. In: Davini MC. Enfoques, problemas e perspectivas na educação permanente dos recursos humanos de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009; p.39‑59.

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Projeto Pedagógico do curso de especialização em Saúde da Família. Porto Alegre: UFCPA; 2013.

Associação Hospitalar Moinhos de Vento. Projeto pedagógico: especialização em Saúde da Família. Porto Alegre: Instituto de Ensino e Pesquisa; 2011.

De Antoni C, Martins CM, Feranato ME, Simões A, Maurente VS, Costa FR, et al. Grupo focal: método qualitativo de pesquisa com adolescentes em situação de risco. Arq Bras Psicol. 2001;53(2):38-53.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Gil CR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):490‑8. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑311X2005000200015

Heinzelman RS. Avaliação da efetividade de um curso de especialização em Saúde da Família para qualificação da atenção primária à saúde no Estado da Bahia. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2012.

Bonfada D, Cavalcante JR, Araújo DP, Guimarães J. A integralidade da atenção à saúde como eixo da organização tecnológica nos serviços. Cienc Saúde Coletiva. 2012;17(2):555‑60. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232012000200028

Feuerwerker LC, Sena RR. Interdisciplinaridade, trabalho multiprofissional e em equipe: sinônimos? Como se relacionam e o que têm a ver com a nossa vida? Olho Mágico. 1998;5(18):5‑6.

Pereira AL. As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Cad Saúde Pública. 2003;19(5):1527‑34. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑311X2003000500031

Becker F. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed; 2001.

Laguardia J, Casanova A, Machado R. A experiência de aprendizagem on‑line em um curso de qualificação profissional em saúde. Trab Educ Saúde. 2010;8(1):97‑122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981‑77462010000100006

Guedes CR, Pitombo LB, Barros ME. Os processos de formação na Política Nacional de Humanização: a experiência de um curso para gestores e trabalhadores da atenção básica em saúde. Physis. 2009;19(4):1087‑109. http://dx.doi.org/10.1590/S0103‑73312009000400010

Bagnato MH, Monteiro MI. Perspectivas interdisciplinar e rizomática na formação dos profissionais da saúde. Trab Educ Saúde.

;4(2):247‑58.

Merhy EE, Feuerwerker LC, Ceccim RB. Educación permanente en salud: una estrategia para intervenir en la micropolítica del trabajo en salud. Salud Col. 2006;2(2):147‑60.

Silveira DS, Facchini LA, Siqueira FV, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, et al. Gestão do trabalho, da educação, da informação e comunicação na atenção básica à saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2010;26(9):1714‑26.

http://dx.doi.org/10.1590/0102‑31X2010000900005




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.793

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Luciana Bisio Mattos, Alessandra Dahmer, Cleidilene Ramos Magalhães

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.