A implantação do currículo baseado em competência na graduação de fisioterapia: a integralidade como eixo condutor

Camila Sotello Raymundo, Deborah Varjabedian, Maria Elisabete Guazzelli, Marco Akerman

Resumo


Introdução: Na busca de um novo perfil para o fisioterapeuta, há a necessidade de reformular a formação de profissionais fisioterapeutas que atendam a uma nova demanda. Este estudo busca apoiar‑se nas premissas da interdisciplinaridade na organização dos conhecimentos e o desenvolvimento de práticas e ações que buscam a integralidade na atenção a saúde entre os docentes do curso de graduação de fisioterapia de uma Universidade Privada e Internacional aqui estudada, por meio de um currículo baseado em competências. Objetivo: Identificar as dificuldades e as facilidades da implantação de um currículo por competências no curso de Fisioterapia, orientado pela Integralidade. Métodos: Neste percurso, utilizamos como método a Pesquisa‑Ação, como estratégia para a investigação da eficácia da implantação do currículo integrado e os atores envolvidos foi o corpo docente. Resultados: Durante o processo de implantação do currículo foi possível entender que um currículo baseado por competências é flexível, permite mudanças, de acordo com as necessidades atuais. Conclusão: Conclui‑se que um currículo integrado permite sempre novas inserções, com possibilidade de ouvir e empoderar os docentes neste processo, que são essenciais para o sucesso na implantação de um currículo baseado em cometências.


Palavras-chave


integralidade em saúde; ensino; fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Sobrinho JD. Universidade e novos modos de produção, circulação e aplicação do conhecimento. Avaliação. 2014;19(3):643‑62. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑40772014000300007

Brasil. Presidência da Republica. Casa Civil. Decreto‑lei nº 938, de 13 de outubro de 1969. Disponível em: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/decreto‑lei/1965‑1988/Del0938.htm. Acesso em: 29 set. 2015.

Almeida ALJ, Guimarâes RB. O lugar social do fisioterapeuta brasileiro. Fisioter Pesqui. 2009;16(1):82‑8. http://dx.doi.org/10.1590/S1809‑29502009000100015

Rebellato JR, Botomé CF. Fisioterapia no Brasil. 2.ed. São Paulo: Manole, 2001.

Rodrigues JM, Peixoto Junior CA. Reflexões sobre conceitos afirmativos de saúde e doença nas teorias de George Canguilhem e Donald Winnecott. Physis. 2014;24(1):291‑310. http://dx.doi.org/10.1590/S0103‑73312014000100016

Camargo Jr. KR. As armadilhas da “concepção positiva de saúde”. Physis. 2007;17(1):63‑76. http://dx.doi.org/10.1590/S0103‑73312007000100005

Canguilhem G. O normal e o patológico. 5ª.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

Haddad AE. A trajetória dos cursos de graduação na área de saúde: 1991‑2004. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2006.

Chauí M. A universidade pública sob nova perspectiva. Rev Bras Educ. 2003;(24):5‑15. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑24782003000300002

Sguissardi V. Reforma universitária no Brasil‑1995‑2006: precária trajetória e incerto futuro. Educ Soc. 2006;27(96):1021‑56.

Schmidt LA. Os cursos de fisioterapia no Paraná frente aos conceitos contemporâneos de saúde. Dissertação (Mestrado) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2002.

Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP). Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatórios síntese:2010. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/enade/relatorio‑sintese‑2010. Acesso em 12 ago. 2014.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 4/2002 CNE/CES, 19 fev. 2002. Diário Oficial da União. Brasília: 2002; p.11.

Perrenoud P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. 2ª.ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Perrenoud P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

Perrenoud P. 10 novas competências para ensinar. Porto alegre: Artmed, 2000.

Grundy SJ, Kemmis S. Educational action research in Australia: the state of the art. Geelong: Deakin University Press, 1982.

Tripp D. Pesquisa‑ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa. 2005;31(3):443‑66.

Cecilio LCO, Andreazza R, Carapinheiro G, Araújo EC, Oliveira LA, Andrade MGG, et al. A Atenção Básica à Saúde e a construção das redes temáticas de saúde: qual pode ser o seu papel? Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):2893‑902. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232012001100006

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2006.

Morin E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2ª.ed. São Paulo: Cortez, 2000.

Ceccim BR, Feuerwerker LCM. Mudanças na graduação das profissões da saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1400‑10. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑311X2004000500036

Severo SB, Seminotti N. Integralidade e transdisciplinaridade em equipes multiprofissionais na saúde coletiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(supl.1):1685‑98. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232010000700080

Arruda C, Lopes CGR, Koerich MHAL, Winck DR, Meirelles BHS, Mello ALSF. Redes de atenção à saúde sob a luz da teoria da complexidade. Esc Anna Nery. 2015;19(1):169‑73. http://dx.doi.org/10.5935/1414‑8145.20150023

Bispo Junior JP. Formação em fisioterapia no Brasil: reflexões sobre a expansão do ensino e os modelos de formação. Hist Ciênc Saúde‑Manguinhos. 2009;16(3):655‑68. http://dx.doi.org/10.1590/S0104‑59702009000300005

Bispo Junior JP. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(suppl.1):1627‑36. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232010000700074

Santos SSC, Hammerschmidt KSA. A complexidade e a religação de saberes interdisciplinares: contribuição do pensamento de Edgar Morin. Rev Bras Enferm. 2012;65(4):561‑5. http://dx.doi.org/10.1590/S0034‑71672012000400002

Mitre SM, Siqueira‑Batista R, Girardi‑de‑Mendonça JM, Morais‑Pinto NM, Meirelles CAB, Pinto‑Porto C, et al. Metodologias ativas de ensino aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(Sup2):2133‑44. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232008000900018

Brasil. Ministério da Saúde. Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde – pólos de educação permanente em saúde. Brasília: MS; 2004.

Catani AM, Oliveira JF, Dourado LF. Politica educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular nos cursos de graduação no Brasil. Educ Soc. 2001;22(75):67‑83. http://dx.doi.org/10.1590/S0101‑73302001000200006




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.799

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Camila Sotello Raymundo, Deborah Varjabedian, Maria Elisabete Guazzelli, Marco Akerman

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.